Sergio free e a liberdade no cenário urbano

Sergio Costa da Fonseca Junior é pisciano (melhor signo) e artista. Natural do sul da Bahia, Sérgio viveu às margens do Rio de Contas até seus 5 anos, em um ambiente simples e humilde. Chegou em São Paulo em 1986 e conheceu um mundo de valores distintos daqueles impressos em sua personalidade.

Conhecido nas redes sociais e no meio artístico como “Sergiofree”, ele conta que é porque “sempre quis fazer parte de diversas ‘tribos’ e gangs  que existem no cenário urbano , e houve um tempo em que se você fizesse parte de uma tribo, os membros desta ficavam ‘impedidos’ de fazer parte de outras’, e ele conta: “eu sempre quis ser livre por isso na sequência do meu nome adicionei a palavra free , no sentido de ser livre”, conta.

Em sua página oficial do Facebook ele conta que ainda criança, no bairro do Tucuruvi,na Zona Norte de são Paulo, onde foi criado, começou a perceber e valorizar a arte urbana, por meio das pichações que via nos muros, enquanto fazia pequenos trajetos pelo bairro. Sem conhecer o conceito de arte e inspirado nas pichações, começou a riscar paredes pela vizinhança com caneta hidrocor. Nessa época, ele não via graffiti pela cidade, apenas pichações e alguns grapixos (pichações contornadas).

Participou de ganges até os anos 90 e sempre exerceu sua influência artistica nas ruas. Sérgio só percebeu que sua paixão poderia se tornar sua fonte de renda quando um francês , colecionador de artes o pediu para que pintasse duas telas de seu trabalho.

Logo você já percebeu que Sergiofree não pinta só nas ruas, mas em telas também, certo? Para isso ele utiliza tinta spray, tinta acrílica e canetas. A escolha do local para ser pintado acontece da seguinte maneira: “Escolho o local imaginando sempre como ficaria uma boa fotografia, valorizo o cenário e a textura  e coloco meu personagem interagindo nesse cenário. Nas ruas não curto pintar a parede antes de colocar meu personagem… Acho que apaga a história local”, diz. Ele diz que o tempo de criação de uma tela é em média  de 15 dias, agora passar o cenário da rua para a tela, a ação do personagem exige muito estudo a cada pintura.

Sergiofree já fez uma exposição “Da rua pra rua” mas não havia nada a venda, era só para mostrar para amigos em um encontro de pixadores. A resposta do público foi bem real e muito positiva.

Agora vem a melhor parte, ele está prestes a abrir uma nova exposição. Chamada “Sociedade Alternativa”, sua expectativa é que as pessoas se identifiquem com as situações do personagem, e Sérgio também espera que as pessoas “entendam a mensagem, que você tem que viver seu tempo e procurar encontrar dentro de si um caminho. Caminho esse que faça com que se sinta vivo”.

Você não pode perder.

SERVIÇO

Exposição individual na Galeria Alma da Rua

Data: 25/08 à 15/09

Local: Galeria Alma da Rua –  Rua Gonçalo Afonso, nº 96 – Vila Madalena

Horário: 14 às 20h

Visite o site do artista:

www.sergiofree.rocks

Siga o instagram do artista:

www.instagram.com/sergiofree_

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin

Toda semana, uma enews com um incrível artigo
que vai surpreender sua mente criativa.

Submit

Cadastre seu email.

Fique de olho em nossas redes sociais. Siga a gente no Pinterest, Twitter, Facebook & Instagram.

A Zupi é a revista oficial do Pixel Show, o maior festival da América Latina de criatividade.

ENTRE EM CONTATO

TELEFONE:
+55 11 3926-0174
+55 11 96569-8348 (Whatsapp)

ENDEREÇO

Rua Conde de Irajá, 208 –
Vila Mariana, São Paulo – SP,
CEP: 04119-010

ATENDIMENTO

Via Ticket, Chat, eMail ou Telefone
Segunda – Sexta
9h – 18h

Conteúdo

...