SHOP  •  PIXEL SHOW  •  CONFERÊNCIA  •  PROGRAMAÇÃO

Já é possível encontrar modelos de impressoras 3D disponíveis no mercado brasileiro, entre eles, algumas são criações 100% nacionais. Tudo começa com o desenvolvimento do modelo de um objeto dentro de um aplicativo de modelagem 3D no computador. O modelo é, então enviado para o software da impressora, que o divide em centenas de camadas diferentes, para, pouco a pouco, transformar a matéria prima em objeto sólido. Assim, em poucos minutos, ou muitas horas- o tempo varia de acordo com o tamanho e a definição do objeto- armas, action figures, peças sobressalentes de outros aparelhos, exoesqueletos e chocolate, são criados pelas impressoras 3D.

Ganhando cada vez mais espaço no setor de prototipação e modelagem tridimensional as impressoras 3D tendem a evoluir, tornando-se mais baratas e rápidas. Afinal, quão prático não seria se pudéssemos imprimir objetos dentro de casa? Com a possibilidade de comprar o software correspondente ao objeto desejado, a vida tenderia a um nível de practicidade enorme, no qual os bolos de aniversario poderiam ser simplesmente impressos.

Hoje existem três meios possíveis de imprimir um objeto:

Modelagem por fusão e depósito 

O injetor de material aquece e puxa uma espécie de filamento plástico que fica enrolado em uma bobina, como se fosse um rolo de barbante. Conforme o mecanismo derrete o material, ele o injeta em uma base, movimentando-se nos eixos X e Y para criar as camadas.Assim que uma camada fica pronta, a base — fixa no eixo Z — desce alguns milímetros e o mecanismo procede com a criação da próxima camada até que o objeto fique pronto.

Sinterização seletiva a laser  

O equipamento utilizado é mais robusto que o modelo anterior. Em vez de depositar uma camada de cada vez, a máquina utiliza laser para esculpir os objetos em uma espécie de pó extremamente fino, que pode ser de plástico, metal ou outros materiais.

Estereolitografia 

Um recipiente precisa ser preenchido com um líquido especial, uma espécie de resina plástica. O laser é, então, projetado na superfície do líquido, que se solidifica somente no local em que o laser foi projetado. Depois disso, a plataforma central desce um pouco — exatamente o espaço necessário para que a próxima camada seja criada — e o líquido cobre tudo novamente. Objeto concluído, agora é preciso remover o excesso de líquido das peças e posicioná-las dentro de uma espécie de “forno” ultravioleta que serve para completar o processo de cura dos plásticos.

Modelos que já podem ser adquiridos no Brasil

[special-title]Cliver[/special-title]

[row]clivercl1-3d-Zupi[/row]

Primeira impressora 3D criada inteiramente em solo brasileiro,  a Cliver CL-1 é um produto da Cliever Tcnologia empresa incubada na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). O modelo foi lançado em junho de 2012 e usa a tecnologia de fabricação por filamento fundido (FFF), ou seja, trabalha com um filamento plástico como matéria prima para criar objetos em 3D. Na loja online da fabricante, é possível encontrar modelos em três cores diferentes, todos com 1 kg de filamento plástico de brinde, por R$ 4.650.

[special-title]Matemáquina[/special-title]

[row]matemáquina2-3d-zupi[/row]

Todas as máquinas são operadas com software livre e hardware aberto, ou seja, o aparelho pode ser modificado e aprimorado pelos usuários conforme suas necessidades. O modelo foi lançado em janeiro de 2013 e custa R$ 3,7 mil.

[special-title]Linha Cube [/special-title]

[row]cube-3D-Zupi[/row]

A cube não é um modelo brasileiro mas é comercializada aqui pela Robtec, representante da companhia estadunidense 3D Systems. Ela traz conexão WiFi, e imprime em materiais ABS e PLA, que oferecem, respectivamente,  resistência e brilho aos objetos. A Cube trabalha com até cinco cores e vem com um software para Windows e Mac, que permite a criação rápida de desenhos, dispensando o uso de ferramentas mais avançadas.

O modelo custa R$ 6.690 e está disponível em várias cores. Há ainda a versão CubeX, uma versão aprimorada do modelo anterior, que trabalha de forma profissional, com três modos de resolução de impressão, suporte a cores vibrantes, modelos com até três cabeçotes e maior área de impressão. Esta versão sai por R$ 11 mil.

[special-title]UP!3d[/special-title]

[row]up!3d-3d-Zupi[/row]

A marca UP!3d oferece dois modelos, a UP! Mini, por R$ 4,6 mil  e a UP! Plus, mais precisa e com volume de impressão quase 50% maior do que a primeira, por R$ 6,4 mil.

[special-title]Maker Bot [/special-title]

[row]makerbot-3d-Zupi[/row]

A linha MakerBot é comercializada no Brasil pela Tec Trade International. São dois modelos disponíveis, a MakerBot Replicator 2 por cerca de R$ 11 mil e a MakerBot Replicator 2X por R$ 12,5 mil.

[special-title]Pro Jet [/special-title]

[row]projet-3d-zupi[/row]

A ProJet 3500 é um dos modelos mais caros disponíveis. O modelo mais barato sai por R$ 200 mil. A impressora oferece ultrarresolução e um ritmo industrial na produção, com capacidade para criar um grande volume de itens em relativamente pouco tempo.

Outros dois modelos da Pro Jet  já podem ser importados através do site da Robtec a ProJet 1000 e a ProJet 1500. Elas são praticamente idênticas, tendo como diferença entre si o desempenho aprimorado do modelo 1500: ela oferece itens com superfície mais lisa e trabalha com seis cores diferentes. Custam, respectivamente, US$ 15,5 mil e US$ 19 mil.

[special-title]Z Printer [/special-title]

[row]zprinter-3d-Zupi[/row]

Também da 3D Systems, as impressoras da linha Z Printer oferecem uma velocidade acima da média. O modelo Zprinter 250 trabalha com até 64 cores diferentes e custa US$ 27,7 mil dólares. Já o modelo monocromático, Zprinter 150, pode ser adquirido via Robtec por US$ 16,6 mil, algo em torno de R$ 35 mil

 

 

 

 

 

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Abasteça com ideias lendo novas histórias abaixo