[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Primeiro álbum da Esquimós, Âncora é uma obra conceitual de sensibilidade ímpar. A capa é sensacional, e é a porta de entrada para o mundo surreal e dramático desses esquimós do sul. A primeira faixa, Mós, inicia a viagem te colocando em suspensão em um ambiente aparentemente hostil, nebuloso; a neblina impregnada de maresia abraça forte e alça vôo e vai… O processo de criação e concepção do álbum foi muito livre e natural. Como seria o nosso primeiro álbum, encaramos como um cartão de visitas da banda. Nós tínhamos que nos encontrar musicalmente primeiro para poder passar isso nas canções. Inicialmente, não foi pensado como um álbum conceitual, onde as músicas tivessem uma ligação maior; mas com o tempo, tudo foi se encaixando lírica e esteticamente, e quando percebemos, tínhamos feito um álbum com início, meio e fim”, conta Joaquim Mota, baixo e voz do trio gaúcho.

Albatroz-errante, o single do álbum, dita o ritmo. Foi a primeira música que escreveram para o álbum e, para eles, representa exatamente aquilo que gostariam de transmitir enquanto artistas. “A partir dela que começamos a compor e arranjar as outras músicas. Ela foi gravada em uma primeira versão em 2012, no quarto do César, nosso baterista, quando realmente criamos a estética sonora e lírica que estávamos buscando. Em 2015 mantivemos o esqueleto da primeira versão e regravamos bateria e vocais com algumas mudanças, mas optamos por manter a sua essência inicial. Em seguida, tornou-se nosso primeiro videoclipe”, continua Joaquim.

A produção do álbum é impecável e ficou por conta de Lauro Maia, da Escápula Records, selo de Pelotas, cidade natal da banda. O que nos lembra que a música independente gaúcha no que tange o rock e suas nuances e misturas mil, continua de altíssima qualidade. A Esquimós é, sem dúvida, um exemplo disso. Voltando ao “Âncora”, a maior referência da banda foi o “Ono Plastic Band”, do John Lennon. “A proposta do disco é transparecer uma atmosfera intimista e pessoal, tentando trazer o ouvinte para a sala de gravação junto conosco. Usando silêncio e ruídos como instrumentos, nós tentamos criar uma estética sonora e lírica singular, tornando assim, a ligação com as pessoas que ouvem o álbum mais próxima e direta”.

esquimos

O álbum está disponível para download gratuito no site da banda e também em CD. Com as novas possibilidades de distribuição e divulgação de música que surgiram com o advento das redes sociais e serviços de streaming, a música digital é, definitivamente, uma realidade absoluta, mas o CD ainda é o carro chefe de vendas em shows e no corpo-a-corpo e o vinil se tornou o artigo de luxo que poucos artistas tem condições de produzir graças aos altos custos envolvidos. “Sempre vai existir algum tipo de mídia física, seja ela nova ou reciclada. Isso ocorre porque é necessário tanto para o artista, seja enquanto portfólio ou até mesmo como uma pequena fonte de renda do músico independente, quanto para o consumidor, enquanto como forma de colecionar ou apoiar o artista. Nós mesmos da banda temos um colecionador de discos de vinil, um colecionador de CD’s e um que só utiliza o streaming”.

A atual realidade das bandas independentes exige que o artista seja, além de criativo e atualizado, também empreendedor. Vivemos a era do empreendedorismo e a música independente embarcou forte nessa onda, até porque não tem como gerenciar a carreira, produzir álbum, show e turnê sem estar a par do que está acontecendo ao seu redor. No entanto, isso não quer dizer que tem que fazer sozinho. Tudo acontece muito rápido com a internet e não há como (nem porque) fugir dela. Todo e qualquer passo precisa ser planejado, seja o lançamento do álbum, o projeto do financiamento coletivo pra turnê no interior do estado, a inscrição em um edital de cultura, a participação em um canal do Youtube, etc. E tudo isso é muito positivo no que diz respeito à construção do artista para o mercado musical. Há quem ache que o artista perde a atenção para com a criatividade e a performance. Joaquim diz que, mesmo com a ajuda de selos independentes, fica nas mãos do músico grande parte da responsabilidade pelo gerenciamento de tudo o que envolve a banda. “A Escápula Records, o selo da banda, por exemplo, dá um apoio poderoso para nós em questões pontuais, burocracias e afins, coisas basicamente técnicas. Mesmo assim, temos o controle de tudo e isso ajuda a criar um conceito e uma identidade mais forte para a banda”.

Conheça o som da banda no qrcode. Deixe essa âncora te soltar nesse mar de intimidade e lirismo. Certeza que você vai baixar o disco inteiro e ouvir muito os esquimós do sul, do sul do sul.

[/vc_column_text][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”111645″][/vc_column][/vc_row]

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Abasteça com ideias lendo novas histórias abaixo