CLUBE  •  PIXEL SHOW  •  CONFERÊNCIA  •  PROGRAMAÇÃO  •  SKETCH  •  FEIRA

Sua mãe sempre gostou de pintar quadros e retratos. Ela seguiu o caminho dos estetoscópios e bisturis. No entanto, sua Educação básica fundamentada na arte e na criatividade não poderia ser deixada de lado: a estudante de medicina Daniela Diniz é também a artista danyDINIZ, que encontra muitas relações entre arte e medicina. Confira seu trabalho numa entrevista exclusiva da Zupi:

 

35-HOPE-2

 

Conte-nos um pouco sobre você.

Sou Daniela Diniz, mas meu nome artístico é danyDINIZ. Sou brasileira, tenho 20 anos e sou acadêmica de Medicina. Sempre gostei bastante de criar, e não conheço forma melhor de me expressar do que através de minha arte. Considero-a um hobby que levo muito a sério.

Como você começou a se interessar pela arte?

Acredito que tenha sido influência de minha família. Meus familiares sempre foram muito ligados à arte, especialmente minha mãe, que sempre gostou de pintar quadros e retratos, além de que sempre recebi e ainda recebo o apoio e incentivo de todos que são próximos de mim. Na escola também, quando criança, eu e meus colegas éramos muito estimulados a criar artisticamente. Sei que sempre fui apaixonada em desenhar e pintar, e que o fazia espontaneamente.

Com quantos anos começou a desenhar?

Como fui apresentada à arte desde muito cedo, creio que eu tenho desenhado desde quando fui capaz de segurar um lápis. Até então, desenhava com pouco compromisso e sem ambições, sem me desafiar ou me preocupar em atribuir significados mais profundos às obras. Somente há poucos anos passei a levar a arte mais a sério, tentando sempre desenvolver ainda mais minhas habilidades, exercitando minha criatividade e desenhando coisas diferentes.

Você tem alguma formação acadêmica em arte ou é autodidata?

Sou autodidata. Tudo que sei, aprendi com minha experiência, observação e prática.

Quais são suas influências e como elas afetam suas ilustrações?

No início eu era muito influenciada pelo estilo dos desenhos japoneses, os animes. Mas com o tempo procurei desenvolver meu próprio estilo, que atualmente se encaixa em semi-realismo. Sou também muito influenciada por temas surreais, abstratos e de fantasia.

 

75-ENIGMA-2

Seus desenhos são bastante coloridos e parecem ter uma grande influência de moda e de um sentimento feminista. Por que você escolheu fazer seu trabalho dessa forma?

Faço meus desenhos dessa maneira mais por uma questão de gosto. Adoro cores fortes e vibrantes pela sensação de energia e de impacto, além da grande variedade de sentimentos que elas transmitem. Gosto de explorar diversas combinações e de quebrar alguns esteriótipos relacionados a elas, como por exemplo, é comum pensar que desenhos coloridos sempre representam alegria. A moda é realmente uma grande influência em minha arte, principalmente pelo fato de que aprecio criar roupas e acessórios ricos em detalhes. O fato da maioria de meus personagens serem do sexo feminino é apenas uma forma de identificação e de auto-projeção.

 

Você acha que as mulheres estão mais bem representadas no meio artístico e também em outras áreas atualmente?

Atualmente as mulheres estão ganhando grande projeção em todos os meios, sejam estes políticos, artísticos… E essa é uma tendência, pois a igualdade entre homens e mulheres é que vale no final. As mulheres estão rompendo todas as barreiras e preconceitos que lhes eram impostos.

 

Qual o motivo de você se chamar de “the artist of dreams”?

Eu me chamo de “the artist of dreams” (artista dos sonhos), pelo fato de que minha arte deriva-se muito de meus próprios sonhos e ideias, e de que através delas também tento atingir as pessoas de forma mais profunda. Além disso, minhas obras tem muitas vezes teor surrealista e/ou abstrato.

Como você compõe suas ilustrações?

Minhas ilustrações são criadas digitalmente, ou seja, utilizando o computador e uma mesa digitalizadora. Todas elas são feitas espontaneamente, ou seja, sem nenhum planejamento prévio. Inicio com um esboço, e aos poucos vou desenvolvendo-o, acrescentando detalhes, e por fim, as cores. Muitas vezes exploro diferentes formas e texturas. Algumas vezes escolho um tema (por exemplo, uma única palavra) sobre o qual irei trabalhar.

Onde você busca inspiração?

Busco inspiração no que há ao meu redor, especialmente na natureza e nas pessoas. A música é algo que também me inspira bastante, seja por sua melodia, letras, ou mesmo os timbres e harmonia. Sou também muito inspirada pelos meus próprios sonhos e sentimentos.

Você estuda medicina, que é uma área muito diferente (e até mesmo distante) do meio artístico. Por qual motivo você atua em ambos os campos e como faz para conciliar os dois?

Não considero a Medicina uma área diferente ou distante da arte. Pelo contrário, considero-a também uma forma de arte. Nela, usa-se os conhecimentos em benefício do próximo, ajudando-o a melhorar suas condições de saúde. É uma arte saber aplicar os conhecimentos para desvendar diagnósticos, interagir com o paciente, e mesmo compreendê-lo. Assim como o artista, o médico deve ter sensibilidade e criatividade.
Atuo em ambos os campos por ser apaixonada pelos dois. Realmente, a Medicina me toma muito tempo, mas como tenho uma paixão imensa pela arte eu sempre consigo conciliá-los.

Que conselho você daria para alguém que, assim como você, faz outra faculdade mas gostaria de desenvolver o lado artístico?

Há tempo para tudo. Uma vez que você se dispõe a fazer alguma coisa, sempre se dá um jeito para conciliar ambas as atividades. Basta organizar-se e saber separar um tempo para você se dedicar à sua arte.  Se você realmente gosta de arte, não a deixe de lado! Ela ajuda a renovar a mente para seus compromissos, além de que é uma excelente forma de se expressar.

 

86-BALLERINA-2

 

100-DESIDERIUM-2

 

musecloseup ODE2

29-MAGICAL-DOCTOR-hero-2

 

para conhecer mais trabalhos de danyDINIZ, acesse danydiniz.com

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn