Portfolios de artistas, designers, ilustradores, diretores de arte, artistas plásticos, arquitetos, publicitários, colecionismo, fotografia, animação, zupi tv e outros

Surrealidades do Homem-Câmera

Czlowiek Kamera (“homem-câmera”, em polonês) é um artista especializado em audiovisual, mas também faz as vezes de fotógrafo de surrealidades incríveis. Suas manipulações digitais desafiam o senso comum e distorcem os cérebros mais sensíveis – que o leitor fique avisado. Veja aqui.

As mulheres de Daniela Uhlig

Daniela Uhlig é uma ilustradora alemã de 30 anos que trabalha com criação de personagens. Da inocência a sensualidade, a artista alemã explora as características das mulheres e com um traço singular. Atualmente, trabalha em uma pequena produtora de jogos como designer de personagens.

Aranhas gigantes invadem Seatle

Se você é morador de Seatle, acalme-se, pois gigantes aranhas realmente invadiram a cidade, mas não são aranhas reais. O ilustrador de Seatle, Marlin Peterson, foi contratado para pintar algum mural de grandes proporções em algum lugar da cidade. A ideia de Peterson não poderia ser melhor, procurar um grande telhado e pintar aranhas gigantes usando a técnica trompe l’oeil (técnica artística que, com truques de perspectiva, cria uma ilusão ótica).

De 0 a 100 anos em 150 segundos

100 é um vídeo tocante produzido ao longo de quatro meses pela agência holandesa Imagine. Os criativos saíram pelas ruas de Amsterdã pedindo para pessoas comuns revelarem sua idade na frente das câmeras, com o objetivo de reunir exemplos de 0 a 100 anos. O vídeo, de apenas 150 segundos, prova que a vida passa mesmo muito rápido. Assista.

A arte de Uzhazz

Uzhazz é um ilustrador de Pyatigorsk, Russia. Sua arte impressiona não apenas pela qualidade, como também pela criatividade. Abordando a vida moderna com muito bom humor, Uzhazz nos mostra a partir de cores vibrantes e situações nem um pouco comuns a visão que tem do mundo. Separamos alguns dos trabalhos mais legais do cara.

Origamis de Marc Fichou

Mais do que simples fotos de origamis, as imagens da série Origamis constituem um inteligente exercício de linguagem do fotógrafo Marc Fichou. Ele registra origamis impressos no próprio papel onde foram feitos (e, depois, desfeitos), estabelecendo instigantes relações visuais entre passado e presente, entre o caráter bidimensional do papel e da imagem e o origami tridimensional.

O fantástico mundo de Daniel Frost

Com um estilo próprio e inconfundível, o artista inglês Daniel Frost é um devorador de livros, influência direta em suas ilustrações. Frost gosta de desenhar desde pequeno, ele e o irmão disputavam para ver quem conseguia fazer o outro rir mais. Amigos ou uma pessoa estranha na rua, qualquer um que se destaca entre a multidão é uma forte influência na arte simples e muito expressiva de Frost.

De onde vem a arte

“Escolas de arte do mundo: uni-vos!”, proclamou Leonora Hamill, e saiu num tour global fotografando os estúdios e ateliers de escolas de arte da Europa, Ásia, África e Américas. Aí nasceu o projeto Art in Progress, onde a fotógrafa francesa revela semelhanças e diferenças entre diferentes espaços que simplesmente exalam criatividade. Veja.

Fluidos e vísceras sobre tela

Gregory Jacobsen eleva as categorias de retrato e natureza-morta a novos níveis de nojo e repulsa – no bom sentido, é claro. O pintor norte-americano fala essencialmente sobre falhas e fraquezas humanas, retrabalhadas pelo indivíduo para se tornarem ativos pessoais. Conheça suas pinturas a óleo.

Ilustras por Christoph Niemann

O designer e ilustrador Christoph Niemann se destaca por ter uma imaginação sem limites. Irônica e conceitual, a sua arte passa principalmente pela metalinguagem e surreal. Christoph Niemann ganhou vários prêmios internacionais com capas das publicações The New Yorker , Atlantic Monthly, The New York Times Magazine e American Illustration. Em um de seus desenhos ele narra a batalha pela supremacia do descanso de braço! Confira.

Removies

No tumblr Removies, os designers Austin Richards e Des Creedon criam cartazes para reinterpretar, de modo hilário, filmes conhecidos do público. Removendo uma letra do título dos filmes, eles subvertem o sentido de suas histórias e abrem campo para a experimentação criativa. Veja aqui.