CLUBE  •  PIXEL SHOW  •  AGENDA  •  FEIRA

Cabuloso Suco Gástrico: toda a acidez das tirinhas de Breno Ferreira

160_pronta_ZUPI

Existe esse axioma moderno que diz que muitas das pessoas que hoje em dia se declaram profundas, intelectuais, artistas, críticas e/ou poetas não realmente o são – o que acontece é que elas têm acesso a internet. Não precisa ir muito longe pra perceber isso: basta dedicar minutos do seu tempo na barra de rolagem enquanto acessa o Facebook pra perceber a quantidade de clichês e informações rasas travestidas de críticas embasadas que existe por aí.

Ser engajado e ser engraçado, hoje em dia, não parece tão difícil. No entanto, felizmente algumas pessoas vêm se desafiando a fazer algo a mais, principalmente quando tratamos de arte. Algo que, de fato, faça com que seu público seja, de alguma maneira, movido, fazendo com que essas pessoas reajam – seja sorrindo de canto de boca ou engolindo em seco ao se identificar com alguma situação desconfortável.

Esse é o caso de Breno Ferreira, autor das tirinhas do Cabuloso Suco Gástrico. Formado em artes plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, desde 2012 Breno passou a publicar num blog seus quadrinhos, que refletem sobre a vida moderna, sobre seu descontentamento em relação a elas (com o qual muitas pessoas, com certeza, irão se identificar), sobre o amor (e a falta dele) e sobre muitos outros temas comuns aos habitantes das grandes cidades ao redor do mundo.

Os três anos de trabalho do autor (que também forma 1/4 d’O Miolo Frito, de quem você já ouviu falar aqui) foram recentemente reunidos em um livro. A convite da Editora Elefante, “Cabuloso Suco Gástrico” saiu das telas para o papel em novembro desse ano, reunindo 90 tirinhas publicadas no blog e mais 10 inéditas.

cabuloso-suco-gástrico-zupi1©Evandro Malgueiro – Lançado em novembro de 2015, o livro Cabuloso Suco Gástrico reúne 90 tirinhas publicadas no blog entre 2012 e 2015 (compre aqui)

Tanto os desenhos e suas cores chapadas quanto as falas carregam em si um tom poético, lírico mesmo, e realmente inspiram uma certa desilusão: nas 100 tirinhas do livro, nenhum dos personagens sorri sinceramente. Mostram os dentes apenas nos quadros que justamente falam sobre essa “felicidade de aparências” e na marca registrada da série – duas mãos segurando duas dentaduras que dialogam.

Conversamos com o Breno sobre as tirinhas, o livro e a vida. Prepare seus antiácidos e confira abaixo!

99_pronta© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

Como foram seus primeiros contatos com a arte? Desenhar é algo que vem da sua infância, pela influência de algo ou alguém?

Quando era pequeno via meu irmão mais velho desenhar e ficava fascinado, tentava imitar. Nunca tive muita facilidade não, mas fiquei insistindo tanto, que começaram a sair algumas coisinhas.

Você e os outros integrantes d’O Miolo Frito se conheceram na faculdade, certo? Qual era o curso e o quê desse período você traz consigo até hoje?

Sim, nos conhecemos cursando artes plásticas. Poxa, guardo muita coisa boa desse momento, aprendi uma porção de coisa, mas acho que de longe o que teve de mais importante nesse ambiente foram as pessoas que conheci e as bobagens que falávamos sobre assuntos aparentemente desimportantes, mas que depois começam a fazer um sentido maior e de uma maneira bem sutil passam a te influenciar. Com certeza, aprendi e continuo aprendendo mais com as pessoas que não estão dando aula.

167_pronta_ZUPI© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

Como surgiu a ideia de fazer tirinhas?

Bom, sempre tive vontade de fazer quadrinhos, mas acho que por certa insegurança tinha dificuldade em começar. Acho que as tiras serviram pra ser um ponto de partida, ainda mais porque a ideia é experimentar o lance da linguagem – quando dá errado, pelo menos, é uma tirinha e não uma história de 20 páginas.

De onde vem o nome “Cabuloso Suco Gástrico”?

Eu não lembro muito bem o motivo desse nome, hahah. Mas com certeza está ligado ao tormento causado pela gastrite que direto vem me estragar a existência. Mas o tal do suco verde parece que ajuda mais que Eno, preciso provar…

Como você enxerga essa atividade, de fazer tirinhas? É mais uma válvula de escape, uma maneira de mostrar suas visões de mundo?

Tento não ver de uma maneira muito pretensiosa. Nesse meio, de cartunistas, chargistas e tal, existe um histórico de, ou um compromisso com o humor ou um compromisso com um posicionamento político. Não vejo problema nem no humor nem no posicionamento, minha dificuldade é com o compromisso, esse lance da obrigatoriedade. Me parece que se eu tiver que comentar tudo com um viés politico ou sempre tentando ser o engraçadão, custe o que custar, vai soar artificial. Como se estivesse fazendo algo sobre demanda. No meu caso, gosto da ideia de ir pelo caminho mais livre e certos questionamentos e/ou piadas e qulaquer coisa interessante e não tão óbvia pode aparecer a qualquer instante.

155_pronta_ZUPI© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

Quais são suas referências e influências? O que você consome de tirinhas, cartuns e quadrinhos hoje em dia?

Tento acompanhar bastante o que sai de quadrinhos por aí sim, mas já fui mais atencioso com isso. Acho que por trabalhar com coisas relacionadas a imagens, às vezes fico um pouco saturado e nas horas vagas tenho procurando mais coisas como livros (literatura) e música, do que conteúdo imagético. Mas isso é de época, tem momentos que dá vontade de ficar só nas figurinhas mesmo.

É visível que suas inspirações para criar as tirinhas vêm da vida cotidiana e das suas insatisfações em relação a ela, mas como funciona seu processo criativo? Você tende a pensar nos fatos já em três, cinco quadros ou desenvolve alguma linha de pensamento até resumi-la?

É, geralmente é um processo bem confuso. Não sou muito organizado mentalmente para já pensar nas coisas formatadas, talvez fosse mais eficiente, só que não consigo. O que tenho são cadernos que costumo carregar e onde anoto frases, rabiscos, bobagens mesmo. Vou rabiscando lá e depois volto garimpando. A maioria não presta, mas tem coisas que acho que dá jogo, mas aí tenho que adequar a um formato, tiras, às vezes uma coisa maior, ou menor também, só um desenho mesmo. Essa parte é a que acho difícil, nesse momento é que pode dar errado, correr o risco de estragar uma ideia, ou não conseguir comunicá-la do jeito que gostaria. E até por isso os experimentos são bem vindos, não conheço regra pronta.

73_pronta© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

Desde a criação da página do Cabuloso Suco Gástrico, você tem se pressionado a ter uma periodicidade na criação dos trabalhos ou isso não é algo que te preocupa, você cria quando quer?

Olha só, já tive uma periodicidade mais rígida sim, já cheguei a fazer 3 tiras por semana, foi o ápice da produção, hahaha. Mas não durou muito. Como não tenho uma cobrança externa, fica por conta da minha vontade e principalmente da quantidade de ideia que tenho e que acho que valem a pena serem desenvolvidas. Tem esse lance, momentos de vacas gordas, onde tenho uma porção de ideias e consigo fazer virar, e outros de seca e vazio. Essa inconstância é o que me atrapalha em relação a algo mais periódico. Fica orgânico demais.

Você tem alguma preferência de materiais para desenhar? Geralmente os trabalhos são feitos à mão e depois digitalizados?

No caso do Suco Gástrico, praticamente todas as tiras foram desenhadas e arte-finalizadas a mão e a cor foi digital. Gosto bastante de usar pincel na arte final, mas não é uma regra, às vezes vou pra caneta ou bico de pena, outras deixo no lápis mesmo. Pode variar bastante.

109_pronta© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

De onde veio a ideia de reunir as tirinhas em um livro?

Ah, isso é culpa da Bianca Oliveira da Editora Elefante. Faz tempo que ela me fala de transformar a coisa toda num livrinho. Eu sempre gostei do impresso, acho que se cria um vínculo mais afetivo com o objeto, além do tempo diferente de absorção. Na internet tudo é rápido demais, tudo fica velho instantaneamente.

Bom, aceitei né? Claro. Não imaginava isso assim, agora. E, poxa, achei que ficou um trabalho muito bom, a Bia e a Denise Matsumoto fizeram um projeto gráfico lindão, e todos os camaradas que se envolveram ajudaram muito. Fiquei contente demais…

Qual tem sido a receptividade do livro?

De uma maneira geral está sendo bem legal, muita gente vem falar que agora nesse formato, prestou mais atenção e tal. Levando em consideração que é um trabalho que pouca gente conhece ainda e que somos limitados, principalmente em relação à distribuição, acho que tem dado certo. A Elefante é uma editora independente, o Miolo Frito também. Então o lance é na base da guerrilha mesmo, boca a boca, andar por aí com o livrinho na mochila e apresentar pra quem se mostrar interessado.

71_pronta© Breno Ferreira | Cabuloso Suco Gástrico

Seu trabalho tem bastantes críticas à mídia tradicional, mas os grandes jornais ainda se mostram um grande veículo pra cartunistas e tudo mais. Que tipo de visibilidade você gostaria de ter com o Cabuloso Suco Gástrico? Se um desses jornais te convidassem para publicar suas tirinhas, você aceitaria?

Só se tiver muita grana envolvida, hehehe! Brincadeira… Claro que aceitaria. Se isso supostamente acontecesse, acho que seria porque alguém ali curte o trabalho, inclusive com suas críticas né?

Quais são os próximos passos para o Cabuloso? Você tem planos de mais um livro, ou algo do gênero?

Então, a ideia inicial é voltar a publicar tirinhas, né? Desde que lançamos o livro não publiquei nenhuma nova, mas no livro tem várias novas. Só que pra ter livro novo preciso de uns 2 anos de produção nova né? Veremos… O ano de 2016 nem começou e já me envolvi com vários projetos com histórias maiores e, bom, vamos ver como administrarei essas coisas, planejamento não é meu forte.

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn