Björk Digital é um mergulho sensorial que explora os limites do espaço-tempo

Eu sou uma grande fã o trabalho da Björk não só como cantora, mas principalmente como artista visual. Ao visitar a exposição no MIS, eu realmente não esperava vivenciar a intensidade da experiência que realmente é o Björk Digital.

A mostra foi muito bem pensada ao encaixar a realidade virtual como porta voz do universo complexo e profundo que vive na pessoa da Björk, seja como artista visual ou cantora.

A quem ainda não visitou a mostra, não vou dar muito spoiler porque acredito que essa primeira experiência, tal como se deu a minha, pode ser muito mais pura, intensa e única a cada pessoa.
Eu vou abrir aqui só uma frestinha: ao colocar os óculos VR e os fones de ouvido já na primeira sala, o personagem da Björk já começa a te envolver intensamente, e a experiência se desenvolve de tal forma que ao final da exposição é bem provável que você saia de lá se questionando sobre o que é mesmo real e o que não é, isso se você não sair enxugando algumas – ou muitas – lágrimas (já aproveita e leva um lencinho no bolso, só por precaução).

Andrew Thomas Huang

No primeiro andar, a exposição é dividida em quatro salas de experiências em VR e som com tecnologia de áudio 360°. A temática das salas expõe algumas das faixas do álbum Vulnicura (2015): Stonemilker, Black Lake, Mouth Mantra, Quicksand e Familye Notget.

“A realidade virtual não é apenas uma continuidade natural do videoclipe, mas tem um potencial dramatúrgico ainda mais íntimo, ideal para esta jornada emocional.” – Björk

Andrew Thomas Huang

Andrew Thomas Huang

Imagens: Andrew Thomas Huang

No segundo andar, você encontra as salas Biophilia e Cinema. A primeira, baseada no álbum Biophilia (2011), apresenta tablets com apps de música que incitam a interação e experimentação do público na composição de músicas e jogos sequenciais, segundo a sensibilidade da artista. A segunda sala é um cinema com puffs, onde é permitido permanecer por mais tempo e assistir a dezenas de clipes da cantora, tudo em alta definição.

Se você ainda não visitou a exposição, sugiro que compre o seu ingresso agora mesmo. A mostra se encerra no dia 18 de Agosto e o MIS já está vendendo seus últimos ingressos. Ressalto que a experiência é realmente única e memorável.

E se você já foi, conta pra gente lá no post do @pixelshow o que você achou da experiência.

“A Natureza é a nossa capela.” – Björk

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin

Toda semana, uma enews com um incrível artigo
que vai surpreender sua mente criativa.

Submit

Cadastre seu email.

Fique de olho em nossas redes sociais. Siga a gente no Pinterest, Twitter, Facebook & Instagram.

A Zupi é a revista oficial do Pixel Show, o maior festival da América Latina de criatividade.

ENTRE EM CONTATO

TELEFONE:
+55 11 3926-0174
+55 11 96569-8348 (Whatsapp)

ENDEREÇO

Rua Conde de Irajá, 208 –
Vila Mariana, São Paulo – SP,
CEP: 04119-010

ATENDIMENTO

Via Ticket, Chat, eMail ou Telefone
Segunda – Sexta
9h – 18h

Conteúdo

...