SHOP  •  PIXEL SHOW  •  CONFERÊNCIA  •  PROGRAMAÇÃO

No dia 20 de maio, o Pixel Show, maior festival de criatividade da América Latina, em parceria com o Centro Cultural Paula Souza (Fatec | Etec), exibiu um Balaio de Cultura Urbana, ao vivo no YouTube, com o tema “Utilização de espaços urbanos como sala de aula”.

O debate foi intermediado pelo encenador, professor e pesquisador teatral, Durval Mantovaninni, que é formado em Direção Teatral pela SP Escola de Teatro, licenciado em Artes Visuais pelo Centro Universitário UNIFAAT (2015), é professor de Artes na Etec Prof. Carmine Biagio Tundisi (Atibaia), coordenador de Projetos de Artes na Unidade do Ensino Médio e Técnico (CETEC) do Centro Paula Souza (São Paulo) e mestrando em Artes da Cena na Escola Superior de Artes Célia Helena.

Foram convidados o professor Alexandre Mate e a artista plástica Taisa Nogueira, que falaram sobre a importância dos espaços urbanos no aprendizado artístico e no desenvolvimento cívico.

Alexandre Mate, mestre em Teatro pela ECA/USP, doutor em História Social na FFLCH/USP e orientador no curso de pós-graduação do Instituto de Artes da Unesp/SP, falou sobre o surgimento do teatro e sua função na vida social urbanizada.

O professor, que presta assessoria a diferentes instituições, ministra cursos e é autor de inúmeros textos e livros na área do teatro, explicou que a utilização dos espaços urbanos já existia – em praça pública – bem antes do surgimento do que conhecemos como teatro. “Desde sempre, a prática que começa na rua vai para dentro de espaços fechados e permanece encerrada dentro de espaços fechados. O teatro que se desenvolve realmente trata-se de uma proposta, no geral, encerrada dentro das caixas de confortabilidade institucionais, sejam teatrais, espaços múltiplos ou a escola”.

Mate afirma que não conhece – com raríssimas exceções – instituições que desenvolvam a proposta da linguagem teatral na rua, em espaços públicos. “Existe uma ou outra manifestação, dependendo do profissional, do docente, dos interesses que se tenha, para intervir diretamente na cidade com a linguagem teatral, que inicialmente é um pressuposto de natureza popular”.

“O grande problema é que estamos de costas para a urbanidade, para a cidade. Ficamos dentro dos espaços fechados, que rigorosamente corresponde aos pontos de vista de grupos detentores de poder”, conclui o professor, ao reafirmar que o mesmo tem acontecido com as escolas, que acabam limitando o conhecimento dos alunos e, por isso, utilizar os espaços urbanos é tão importante.

Taísa Nogueira, que é arquiteta, artista plástica, mestre em Artes pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2017) e doutoranda em Artes Visuais (IA/ UNESP), falou sobre o poder que a escola tem de transformar. “Se a gente quer transformar cidadãos, é uma necessidade urgente que a gente olhe para as cidades. Ao transformar a escola, nós conseguimos transformar a cidade”.

A atual professora do Centro Paula Souza e da UNIP, citou uma frase que afirma que a escola é a reprodução da cidade e, por isso, “precisa acompanhar o trânsito de conhecimento que está sendo produzido e conhecer o seu potencial pedagógico, de trazer sentido para os alunos”.

Para Taísa, “não há mais a possibilidade de trabalharmos no limite das salas de aula. A sala ao ar livre permite momentos de contemplação. A contemplação permite a meditação sobre a ocupação desses espaços, o pertencimento desses espaços como cidadãos”.

O Balaio de Cultura Urbana tem o objetivo de capacitar e inspirar professores e alunos a se tornarem grandes criativos no futuro. Confira outros vídeos do Balaio no canal do Pixel Show no YouTube.

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn