Em 2001 nasceu a Zupi com o foco em promover, inspirar e registrar os melhores artistas e criativos do Brasil e do mundo. Com curadoria de Allan Szacher, mais de 200 colaboradores espalhados no mundo e com uma equipe de criativos multidisciplinares a revista cresceu, saiu da internet, foi para o papel, é bilingue (inglês e português), distribuida em mais de 22 paises, encontrada nas redes sociais, em Apps de conteúdo, com centenas de milhares de leitores, criou o Pixel Show (maior festival de criatividade da América Latina), fundou a Zupi Academy (formando mais de 8 mil alunos no Brasil com diversos cursos e workshops), lançou livros de arte, revistas customizadas, fez curadorias de conteúdo para diversas marcas e muitas exosições e a cada ano tem lançado novos projetos culturais diferenciados com apoio de grandes marcas inovadoras.

Flying Lotus lança novo clipe

Para coroar o lançamento de seu novo álbum, Until the Quiet Comes, o produtor musical Flying Lotus lançou também um novo clipe. O vídeo é uma animação bizarra dirigida pelo britânico Cyriak, que deu cores, formas e movimentos aos estranhos sons da faixa Putty Boy Strut. Assista ao clipe.

Surrealismo profético de Victor Brauner

Victor Brauner nasceu na cidade de Piatra Neamtz na Romênia em 1903. A imaginação não tinha limites, transmitindo através de telas a arte surrealista. O mais impressionante da história da vida de Brauner é que ele foi considerado uma espécie de profeta, quando fez em 1931 o seu Auto Retrato com olho extirpado, e em 1938 perdeu o olho esquerdo em uma briga de bar.

Um lugar para chamar de seu

Conhecer novos lugares no mundo faz com que nosso olhar seja modificado de alguma maneira. A quadrinista alemã Birgit Weyhe veio para São Paulo em um intercâmbio de artistas promovido pelo instituto Goethe durante um mês. Durante essa viagem conheceu diversos lugares, hábitos e culturas, e a partir disso começou a retratar a São Paulo em desenhos que são narrados por ela mesma.

A física da breakdance

Nesta nova e impressionante série de ilustrações, o francês Florian Nicolle incorpora vetores e equações matemáticas às cores livres da aquarela para retratar a física complexa da breakdance. Os trabalhos são um estudo para a nova identidade visual da escola Volnorez. Veja.

A materialidade da cor

Jen Stark retorna ao site da Zupi com mais uma série de esculturas psicodélicas, formadas por muitas camadas de papel colorido. Ao mesmo tempo em que assumem uma dimensão material bem palpável, seus trabalhos parecem convidar o espectador a tomá-los por cores puras, imateriais. Entre nessa hipnose.