Em 2001 nasceu a Zupi com o foco em promover, inspirar e registrar os melhores artistas e criativos do Brasil e do mundo. Com curadoria de Allan Szacher, mais de 200 colaboradores espalhados no mundo e com uma equipe de criativos multidisciplinares a revista cresceu, saiu da internet, foi para o papel, é bilingue (inglês e português), distribuida em mais de 22 paises, encontrada nas redes sociais, em Apps de conteúdo, com centenas de milhares de leitores, criou o Pixel Show (maior festival de criatividade da América Latina), fundou a Zupi Academy (formando mais de 8 mil alunos no Brasil com diversos cursos e workshops), lançou livros de arte, revistas customizadas, fez curadorias de conteúdo para diversas marcas e muitas exosições e a cada ano tem lançado novos projetos culturais diferenciados com apoio de grandes marcas inovadoras.

Nina Pandolfo

Nina Pandolfo começou pintando telas e folhas. Depois de conhecer a arte do graffiti nas ruas de São Paulo, ela começou a fazer um trabalho de street art. Junto com os Gêmeos e o artista Nunca, ela pintou a fachada de um castelo na Escócia, em 2007. Aqui você confere o trabalho lúdico de Nina, ao pintar meninas de olhos grandes, remetendo a infância, a sensualidade e a delicadeza feminina. Para adquirir uma das obras dela, você terá que desenbolsar no minímo 17 mil libras, o que dá quase R$ 60,000. Clique e veja.

Arte de Gordon Cheung

Gordon Cheung é um artista diferenciado nas suas pinturas por usar imagens de natureza, do ciberespaço, graffiti e pinturas históricas. A partir dessas imagens, Cheung cria uma civilização em colapso global. As cores vibrantes entram em contraste com o preto e branco ou os tons em sépia de suas obras, tornando assim o cenário ainda mais surreal. Clique e veja.

Corpos na água

Influenciada pelas pinturas de Francis Bacon e Jenny Saville, Sarah Harvey faz pinturas muito interessantes de imagens de corpos na água. O efeito de transparência, luz refletida e movimento da água são impressionantes, como se estivéssemos diante de fotografias. Suas pinturas se encaixam perfeitamente na definição de hiper-realistas. Clique e veja.

Ghetto Biennale

Latas, pedaços de madeira, peças de computador, pneus… Os escultores da Grand Rue fazem arte com objetos usados no dia a dia. A Ghetto Biennale, realizada em Porto Príncipe, no Haiti, organizada pelos Atis Rezistans, já entra na sua 4° edição. Clique e veja.

Pinturas aquáticas de Katharine Harvey

As pinturas a óleo da artista Katharine Harvey impressionam pelo grau de semelhança com a realidade. Na série temática “Water”, a artista parece se entregar de corpo e alma para reproduzir com perfeição o movimento das ondas do mar ou o movimento da água em lagos. Vistas tanto de fora da água, quanto por dentro, Harvey nos convida a mergulhar em cada uma de suas obras. Clique e confira.

Agostino Iacurci

Agostino Iacurci é um artista italiano que leva para as ruas toda a experiência que tem com ilustração. Não é à toa que seus murais apresentam esse estilo bem característico, transformando-os em verdadeiras ilustrações a céu aberto. Clique e veja seus trabalhos.

Pinturas de Leah Tinari

Festas, diversão e muitas cores. Encontramos tudo isso nos trabalhos realizados pela artista nova iorquina Leah Tinari. Através de pinceladas de tinta acrílica e guache sobre tela ou papel, ela reproduz as suas fotos analógicas, nos convidando a conhecer os seus amigos e as festas que parecem muito animadas pelos sorrisos que enxergamos em suas obras. Clique e seja bem vindo a conhecer a arte e as festas de Leah Tinari.