As três bandas que mais curtimos no SXSW 2019

[vc_row][vc_column][vc_column_text]O festival SXSW tem 33 anos, e claro a melhor parte do festival não poderia ser outra se não a de música. Não é um festival de bandas famosas, mas ele busca há anos as novidades e bandas que prometem estourar nos próximos anos.

Selecionamos as três bandas que você não pode deixar de escutar, conhecer ou se divertir com elas. Claro que não ouvimos as mais de mil bandas que tocaram no festival, mas eu e os parceiros da Zupi, ouvimos uma amostra bem razoável de uma pré seleção que fizemos antes de viajar pro evento, 127 bandas em 10 dias. Loucura![/vc_column_text][vc_empty_space][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”149895″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”2/3″][vc_column_text]

  • The Strumbellas
    Essa com certeza foi a melhor que ouvimos e uma das poucas que vi a galera em pouco tempo cantando junto com os músicos, gritando e pedindo biz. Eu mesmo, aprendi as letras e me diverti muito com eles. É uma banda canadense, um coletivo de seis integrantes. Já tem uma música no mainstream há dois anos com o sucesso “Spirits”. Para o grupo, seu novo single “Salvation”, marca uma virada estilística de seus lançamentos melancólicos e introspectivos. Ao longo de um backbeat de perfuração, o vocalista Simon Ward canta com otimismo da vida e do bem que isso pode trazer. A banda, que atualmente está no estúdio trabalhando em seu quarto álbum, está no topo do sucesso de seu último projeto Hope, lançado em 2016 (via Glassnote Music – ex-Canadá / Six Shooter Records – Canadá). “Spirits” se tornou um grande sucesso para The Strumbellas, alcançando o primeiro lugar na parada da Billboard Alternative Songs e quebrando o mercado internacional em países como Alemanha, Itália e França. Em 2017, eles ganharam o prêmio iHeartRadio Music como Melhor Artista de Rock Alternativo do Ano e receberam o Prêmio JUNO de Single do Ano.

Conheça o site da Banda: The Strumbellas[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_video link=”https://youtu.be/s-GxCBM7FqQ” align=”center”][vc_empty_space height=”52px”][vc_row_inner][vc_column_inner width=”2/3″][vc_column_text]

  • Miles Electric Band
    Apesar de ser fãn de Miles Davis, coloco essa banda como a segunda melhor do festival. O Miles Electric Band é um grupo All-Star progressivo com ex-alunos de Miles Davis que revisam a estrutura para a improvisação do jazz moderno. O coletivo de vanguarda revisita o repertório do período elétrico de Davis para homenagear o chefe. A banda representa duas gerações de músicos: os contemporâneos de Davis e a próxima geração da música. Este é um conjunto rotativo de músicos mestres. O grupo altamente eclético foi montado pelo líder da banda Vince Wilburn Jr. (sobrinho de Miles), com a intenção de continuar expandindo os limites da música, ao mesmo tempo em que prestava homenagem aos clássicos.

Conheça o site da Banda: Miles Eletric Band[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”149917″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_video link=”https://youtu.be/OYPl4AdrDgw” align=”center”][vc_empty_space height=”52px”][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”149919″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”2/3″][vc_column_text]

  • Durand Jones & The Indications
    Última banda que ouvimos antes de seguir viagem em nossa press trip e nossa terceira indicação. Durand Jones & The Indications, dirigido pelos vocalistas Durand Jones e o baterista Aaron Frazer, e o dinamismo de Jackie Wilson, Curtis Mayfield dos The Indications. Mesmo com uma estética embebida dos anos dourados, do ‘Soul’ dos anos 70, o segundo LP do Indications, American Love Call, é plantado firmemente no presente, com a urgência deste momento no tempo.A estréia auto-intitulada dos The Indications de 2016 foi o produto de amigos que se conheceram como estudantes na Universidade de Indiana em Bloomington, no estado de Washington, gastaram apenas US$ 452, incluindo um ‘pack’ de cerveja. American Love Call, o segundo LP da banda é, ao invés disso, o disco que o The Indications sonharia em fazer, com cordas, backing vocals e uma nova confiança nas composições. Combinando uma série de influências, o guitarrista Blake Rhein diz que The Indications aborda as músicas da mesma forma que os produtores de hip-hop, provavelmente inspirando-se no folk-rock dos anos 70 ou no clássico R&B .“Eu esperava fazer “essa merda’ quando saísse da faculdade? Claro que não,” – Jones, ri. “Totalmente não. Mas isso é o que Deus está me dizendo para fazer.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_video link=”https://youtu.be/TC_4FjzWEjo” align=”center”][vc_empty_space height=”52px”][/vc_column][/vc_row]

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn