As “Interpretações Nuas” de Henrique Resende

“[…] que eu chamaria de Spectrum da Fotografia, porque essa palavra mantém, através de sua raiz, uma relação com ‘espetáculo’ e lhe acrescenta essa coisa um pouco terrível que há em toda fotografia: o retorno do morto”.

 Após ler essas linhas de “A  Câmara Clara”, de Roland Barthes, que Henrique Resende, 19 anos, retomou seu desejo por fotografar. Nascido em Minas Gerais, numa cidade com um pouco mais de 30 mil habitantes, Henrique chegou em São Paulo aos 16 anos para estudar fotografia.

IN - Henrique Resende (1)

Acostumado a retratar apenas pessoas conhecidas, a vida na nova cidade não contribuiu para que continuasse a exercer a atividade. “Parei de fotografar porque não conhecia alguém que pudesse posar para mim – e nunca fui muito interessado em procurar assuntos na rua, em registrar um cotidiano do qual eu não fazia parte”, conta o fotógrafo, que perdeu a mãe – a quem nunca havia fotografado – durante esse “hiato de produção”, como denomina.

IN - Henrique Resende (2)

O “retorno do morto” e o “espetáculo” mencionados pelo escritor francês o motivaram a trazer a memória da mãe à tona por meio da arte de escrever com luz. Inspirado, também, pelo trabalho e pela convivência com o artista carioca Rodrigo Benatti, Henrique foi impulsionado a recriar-se como artista, criador e humano.

IN - Henrique Resende (3)

A série “Interpretações Nuas” revela uma necessidade do fotógrafo de capturar além do material, do palpável. “É possível desenhar ou pintar algo que não existe, mas a fotografia requer, obrigatoriamente, um sólido-real”, conta o artista, que reforçou a ideia ao utilizar-se da técnica de longa exposição para trazer a seu trabalho algo que já não era mais físico.

IN - Henrique Resende (4)

Composta de autorretratos, a série nos desperta os mais diferentes sentimentos, do desespero à compaixão. É, essencialmente, humana. A nudez é exposta no corpo e no espírito. “Os retratos são o ‘fim’ de uma metamorfose. Fim está entre aspas porque Interpretações Nuas é, na verdade, um prólogo do que me tornei”, completa.

IN - Henrique Resende (5)

Interpretações Nuas, epíologo

Interpretações Nuas, prólogo

 

 

+ Informações: Henrique Resende

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Abasteça com ideias lendo novas histórias abaixo