A arte e a mídia alternativa dos fanzines

[vc_row][vc_column][vc_column_text][vc_column][vc_column_text]

Sabe essa coisa de era digital? Queda no consumo do produto impresso? Então, produções gráficas independentes vêm crescendo na contramão de tudo isso. É cada vez maior o número de pequenas editoras e produtores dos famosos fanzines, ou zines, como você preferir. Aliás, você conhece esse projeto artístico e suporte independente avesso aos grandes meios midiáticos?

O termo fanzine vem da contração da expressão em inglês fanatic magazine, o que significa que são publicações feitas por pessoas e para pessoas com gosto em comum sobre um determinado tema, mas o termo vem ganhando força e hoje engloba todo tipo de publicação com baixa tiragem e sem o peso comercial de grandes publicações.

[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_single_image image=”108455″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_column_text]

Zine Mercado, de Elga Libano.

[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text]

Os fanzines, publicações totalmente independentes, surgiram como forma de atravessar estas grandes mídias, mas na última década, eles têm sido uma ferramenta importante para artistas exporem seus trabalhos de forma versátil, simples e livre. Hoje, arte e mídia alternativa se fundiram e apresentaram essa proposta incrível que são os zines. E você mesmo pode criar o seu, você sabia?! A característica mais marcante deles é, justamente, não passarem por processos industriais e terem essa carinha quase que artesanal, característica que dá todo o charme ao produto. Com a popularidade dos zines, hoje já encontramos um grande número de artistas, coletivos, galerias e “zineiros” por aí que investem nestas publicações, e é cada vez maior o número de eventos e feiras dedicados a essa arte.

A Zupi conversou com o Brunno Diamante, ele lidera o Selo Acerca e conta que o projeto desenvolve produções com curadoria de artistas e produtos gráficos e que a proposta surgiu no desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso como um fanzine, inicialmente coletivo, que reunia trabalhos “acerca” de um tema, e, felizmente, evoluiu  para o Selo Acerca. Os fanzines, diferente de grandes publicações comerciais, têm uma tiragem pequena e cada produto é único. “Quando você compra um fanzine nosso, você tem a certeza de levar um produto com dedicação em todos os momentos de sua produção”, contou Brunno.

A ideia de unir mídia independente e arte é uma oportunidade e tanto para os artistas multifacetados dos dias atuais, dá uma olhadinha em alguns desenvolvidos pelo Selo Acerca para você se inspirar:

[/vc_column_text][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

fanzine-2

Primeiro fanzine documental do Selo Acerca conta os principais pilares e obras da Arquitetura Moderna Paulistana.
Lançado durante a Feira Plana 4. Criado pelo arquiteto Raphael Balco.

fanzine

Fanzine Bullshit.2 compila uma coleção de fotografias da rua e alguns experimentos gráficos.
Lançado durante a Feira Plana 4 Criado e editado por Brunno Diamante

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][/vc_column][/vc_row]

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Abasteça com ideias lendo novas histórias abaixo