CLUBE  •  PIXEL SHOW  •  AGENDA  •  FEIRA

Thiago Verdeee tem 28 anos, nasceu no sertão da Paraíba, mas mora em São Paulo a mais de 6 anos. Autodidata o artista inspira-se na essência da street art, apresenta uma proposta de colagem das artes visuais em materiais reaproveitados que representam outras veias artisticas como: música, cinema e literatura. Verdeee mergulha nesse universo e defende uma arte moderna, irreal, que se comunica diretamente com o público por meio de signos e símbolos retirados do imaginário que cerca a cultura das massas e a vida cotidiana.

O artista participará do evento Arte da Vila 2014 com a exposição “Trago seu amor de volta em três dias” na UrbanArts [tooltip type=”tip-bottom” text=”Rua Aspicuelta, 237 – Vila Madalena, São Paulo, SP”]Vila Madalena[/tooltip] e nós aqui da Zupi conversamos um pouco com ele sobre seu trabalho, motivações e inspirações.

Confira!

[row]Torna-te-que-tu-és-zupi[/row]

Zupi: Conte-nos um pouco sobre como a arte virou trabalho para você.

Verdeee: “Desde criança sabia que ia ser artista, nunca me interessei por mais nada na vida e de onde sai pensar em ser artista é algo que é cortado desde cedo pela família, mesmo assim sempre temos grandes gênios saindo de lá, me orgulho disso.

Trabalho com arte profissionalmente desde 2006 e hoje em dia tenho meu atelier/estúdio em casa onde pretendo me dedicar integralmente, mas é algo muito difícil sempre há uma certa insegurança, porém não posso acreditar nessas barreiras financeiras elas aparecem se você dá espaço…

Nunca quis estudar artes por uma opção pessoal, acredito fielmente que não estaria fazendo o que faço hoje se tivesse me formado alguma faculdade. Os professores teriam tirado isso de mim sabe? É algo meu, só cabia a mim decidir, sempre acreditei que preciso fazer as coisas do meu modo, desenvolvendo técnicas e conceitos e isso implica muitas vezes a uma má interpretação do que faço e a caminhos longos, cheio de dificuldades mais que o habitual. Mas estou feliz em ter me descoberto sozinho hoje em dia eu não teria insegurança com estudos acadêmicos, assaltaria todo.”

[row]Verdeee-Por-Mateus-Lee-zupi[/row]

Zupi:O que foi que inspirou você a criar a exposição Trago Seu Amor de Volta Em 3 Dias?

Verdeee:  “Sem dúvida o meu lado místico e os cartazes de trabalhos espirituais e toda origem de pensamento que os cerca, como eles são populares hoje em dia e estão presente nas ruas de todo país ao lado de grafittis e as intervenções de rua, foi quando me dei conta que estamos vivendo uma espécie de “Renascimento das Artes Mágicas” que foram tão massacradas ao longo dos séculos e continuam sendo tabus na atualidade. 
Acredito que está acontecendo o mesmo que ocorreu com as artes e literatura na idade média. Basta ver os filmes, livros e músicas. Esse pensamento está sendo resgatado e ampliado por artistas contemporâneos.

Eu também quero propagar isso e mostrar quão sofisticado e atual esse pensamento antigo é. Todo pensamento artístico tem uma ligação original com essa fonte, sem dúvida seria impossível fazer o que fazemos hoje em dia com as artes, sem parar em uma fogueira ou ser torturado pelo malleus maleficarum.
Sabe quando olhamos um quadro ou ouvimos uma canção que nos toca no fundo da alma? Essa coisa extra física que nos arrebata a alma? É a Arte Mágica gritando sua existência, fazendo conexões, refinando nosso espírito e nos evoluindo com arte.”

[row]trago-seu-amor-de-volta-em-3-dias-zupi[/row]

[row]Nós-que-aqui-estamos-por-vós-esperamos-zupi[/row]

Zupi: Quais são os artistas e estilos que mais te inspiram?

Verdeee: Minha técnica padrão é a colagem, alteração, apropriação e manipulação de imagens, algo que vem da linhagem de artistas como Richard Prince e Rauschenberg. Acredito que minha arte nasce na Pop Art do inicio dos anos 60, mas está longe de discutir os mesmos temas, com exceção da cópia, reprodução e apropriação massificada, algo que ainda é delicado nos tempos de hoje pois precisamos entender que ninguém e dono do intelecto.

Vejo novos artistas como o Banksy que em textos sublimes “copyright is for the losers” cita todas essas questões.
Hoje em dia estamos contra quem realmente desfigura nossos bairros com slogans gigantes em prédios e ônibus tentando fazer com que nos sintamos inadequados se não comprarmos seus produtos. Elas tem direito de gritar sua mensagem na cara de todo mundo, sem que ninguém tenha o direito de resposta… é esse o pensamento que se instaura atualmente.

[row]a-morte-pode-ser-docimente-embreagadora-zupi[/row]

Mas se eu quero usar a mesma mensagem para revidar, sou processado por “uso ilegal de imagem”. O intelecto está ameaçado por megas corporações e minha geração está aqui pra sabotar e se infiltrar nesse sistema que infelizmente ainda consegue ludibriar muitos artistas que estão em uma cilada! Só a evolução de pensamento pode nos tirar disso, existe algo maior para se discutir, algo maior que cifras e poder, precisamos evoluir nossas mentes. A liberdade está maquiada pelo capitalismo,precisamos de uma revolução espiritual para ontem.
Gosto de pensar que estamos contra a cultura dos direitos autorais como são estabelecidos hoje em dia… Isso é uma farsa para a máquina lucrar, pois quem está a frente desses processos não são verdadeiros artistas e sim advogados e empresários que de nada sabem sobre arte e sua sublime aura.

Assim como é citado no documentário: “RiP: A Remix Manifesto” meu pensamento foca no Copyleft, na cultura Sampler.
É o que eu faço e acredito. Busco no passado para projetar meu futuro artístico, é no passado que moram as soluções para o nosso futuro… Acredito que a internet está sendo um divisor de pensamentos nesse aspecto, a arte é para todos e não de uma mega corporação … assim como aconteceu no mercado fonográfico, quem não está atento as novas mudanças perderá completamente a batalha. o bem sempre permanecerá pra quem acredita.”

[row]Como-desaparecer-Completamente-zupi[/row]

Zupi:Você sempre trabalha com técnicas de colagens ou trabalha com outros estilos de arte?

Verdeee: “Além da colagem, faço desenhos em papel e madeiras que acho no lixo e gosto de utilizar Shoyo e café para colorir. Também tenho outro trabalho paralelo com música, algo que está em um estágio embrionário, pois decidi desenvolver todos os meus instrumentos artesanalmente (acústicos e eletrônicos) criar tudo do zero para conseguir ter algo personificado. Acredito que não existe divisão nas Artes, sabe? tudo que eu faço é tentar me expressar e quando um meio não cabe, busco outro. Não acredito que deveria existir divisões de categorias, tudo isso é uma grande bobagem, parece uma forma fácil de vender. Me considero um artista e ponto final, não importa se é com pintura,música, fotografia,cozinha etc,etc

O mais importante e resgatar as pessoas para um mundo melhor desse que vivemos atualmente, sem dúvida a arte e um despertar sem volta, todos nós podemos ser artistas.”

[row]verdeee-meus-instrumentos-zupi[/row]

Zupi: Se sua arte pudesse mandar uma mensagem em poucas linhas qual seria?

Verdeee: “Creio que camuflado nas cores e imagens tão belas, quero despertar as pessoas para o que sinto e vejo sobre o mundo e a vida que costumamos ver e acreditar… Não há limites para nossa evolução quando falamos sobre o Amor… Quero trazer o Amor de volta, não em 3 dias mas sim para ficar.
Matamos o nosso planeta, e parte de minha geração está empenhada a mudar isso. Em dias como os de hoje resgatar esse sentimento nas pessoas é uma guerra travada ao estilo de vida moderno alienado e consumista onde o Capitalismo tornou-se o novo e egocêntrico Deus dos espíritos inferiores.”

 

Para ver outros trabalhos do Verdeee clique aqui

Compartilhe via...

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn